Pixel fb

O que design e a sua gestão têm em comum? Muito mais do que você imagina!


Design de produto, design de serviços, design thinking: algumas provas de que os universos do design e do empreendedorismo estão muito mais próximos do que parece.

Pense em um termo amplo, cuja definição atual é bastante complexa, que é utilizado nas mais diversas situações, e servindo às mais distintas atividades: este termo é design. Se você olhar ao redor, vai perceber que design está por todos os lados: no calçado que você (provavelmente) está usando, na roupa que (provavelmente) veste, na cadeira em que se senta, no computador ou no aparato mobile em que lê este artigo, na luminária que clareia o ambiente. Enfim: poucos conceitos têm as costas tão largas quanto design, e é por isso que preparamos um conteúdo exclusivo sobre o assunto.

Mas é claro que vamos fechar um pouco o escopo. Afinal, hoje o design foi incorporado por áreas completamente distintas, tais quais a arquitetura e a indústria de jogos, por exemplo. Aqui, vamos tratar de como o design pode interferir mais diretamente na sua vida, empreendedor. São conceituações com as quais é importante que você tenha alguma familiaridade, para quem sabe conseguir tirar algum proveito para sua gestão.


:: Qual é exatamente a definição de design?

Não é nada fácil encontrar esta definição – até porque a evolução das linguagens e da tecnologia é tão rápida que o que se estabelece hoje muda completamente amanhã. Mas tentemos: neste artigo da ABRA Escola de Arte e Design, o professor Marcos Paes de Barros afirma que o termo design tem sua origem no desenho industrial, sendo definida como uma atividade que envolve os processos de desenvolvimento de produtos, e que é ligada a questões de uso, produção, mercado, utilidade e qualidade formal ou estética destes produtos.

Alexandre Wollner, considerado um dos pioneiros do design no Brasil, aproxima o conceito da arte visual: para ele, design consiste em dimensionar uma estrutura com todos os elementos visuais nos vários meios de comunicação visual. Não se trata apenas de desenvolver uma “marquinha” sem se preocupar com o comportamento que esta marca terá em um contexto; é preciso que haja estruturação, que se preveja aplicações coerentes.

ASSIM, O DESIGN PREOCUPA-SE NÃO APENAS COM A ESTÉTICA, MAS COM A FUNÇÃO, COM MATERIAIS, COM A ERGONOMIA, E SOBRETUDO COM AS APLICAÇÕES.

Certo, mas como é que o design pode ser importante para a gestão do empreendedor?

De várias formas. Como dissemos, o termo tem costas largas, e há uma série de aplicações do conceito de design que acabam se relacionando à gestão do seu negócio. Vejamos algumas delas:

:: DESIGN GRÁFICO: a modalidade de design mais difundida. A definição mais técnica diz que se trata da área de conhecimento e de prática profissional que se relaciona à organização estética e formal de elementos textuais e não-textuais que compõem peças gráficas destinadas a serem reproduzidas, sempre com o objetivo de comunicar algo. Ou seja, é uma forma de se transmitir visualmente um conceito ou uma ideia, através de técnicas formais.

É importante porque são os designers gráficos que cuidam da identidade visual da sua empresa, do design de embalagem dos seus produtos e de vários outros aspectos fundamentais para a construção da sua marca.


:: DESIGN DE PRODUTO: trata-se do design talvez em sua concepção mais tradicional. É a vastíssima atividade que trabalha com a criação e a produção de objetos e produtos tridimensionais com foco tanto para o uso humano, quanto para o uso animal. O designer de produtos costuma lidar essencialmente com o projeto e a produção de bens de consumo destinados ao uso cotidiano. Mas, no final das contas, o uso do termo se ampliou, e design de produtos abrange também a produção de bens de capital, como máquinas, motores e peças em geral.

É importante porque, ao refletir sobre cada detalhe daquela ideia que desenvolve para colocar no mercado, você está, de uma forma ou de outra, praticando o design de produto.


:: DESIGN DE SERVIÇOS: o pensamento é muito semelhante ao que está por trás do design de produtos. Trata-se de pensar em todos os detalhes relativos a um serviço que será oferecido ao mercado. É planejar e organizar pessoas, infraestrutura, comunicação e componentes materiais de forma a melhorar a qualidade deste serviço, aprimorando a interação entre sua empresa e os consumidores.

É importante porque se trata de uma atividade bastante focada na “experiência do consumidor”. O design de serviços procura entender a fundo o perfil deste consumidor para garantir que o serviço seja relevante para ele. Por exemplo, imagine duas cafeterias, uma ao lado da outra, que vendem o mesmo tipo de café, pelo mesmo preço: o design de serviço é tudo aquilo que faz você entrar em uma, e não na outra.


:: WEB DESIGN: trata-se de uma extensão do design gráfico. Aqui, o foco é a criação e a produção de websites e de quaisquer documentos a serem disponibilizados na internet. É uma área multidisciplinar, pois envolve uma série de atividades, como direção de arte, arquitetura da informação, programação, usabilidade, etc.

É importante porque o web designer é quem responde pela presença da sua marca na internet. É quem articula todas estas atividades acima para proporcionar ao usuário uma boa experiência com seu site, garantindo que ele encontre o que procura de forma rápida e eficiente.


:: DESIGN THINKING: o termo literalmente quer dizer “pensar como designer” e, de acordo com este artigo do portal MeuSucesso, significa “abduzir”. Ou seja, significa se apropriar ao máximo da forma como designers resolvem problemas: informações coletadas durante a observação de um problema específico. A expressão foi cunhada por Tim Brown, CEO da Ideo, com o intuito de transferir o conceito de design para um plano mais estratégico.

É modelar a experiência de consumo de modo que seu produto ou serviço ganhe uma aura de ser necessário, um objeto que reflete um status, algo que as pessoas desejam, o símbolo de um conceito.

É indicado para negócios de todos os portes queiram criar experiências. É útil porque permite ampliar o conhecimento sobre o consumidor e sugere como transformar as informações obtidas em negócios mais rentáveis.


Bons negócios!

Escrito por: Endeavor Brasil

VERDADES QUE NINGUÉM NUNCA CONTOU SOBRE PRODUTIVIDADE E RESULTADOS!


"Se alguém ainda acredita que é preciso ir para o trabalho trabalhar ou que é preciso fazer reuniões para discutir problemas e estabelecer metas ou, ainda, que é realmente necessário ter um escritório para ter um negócio, Jason Fried e David Hansson demonstram que não."

Essa dupla ganhou milhões de adeptos no mundo dos negócios ao destruir mitos e criar novos conceitos sobre Marketing e Produtividade. E, principalmente, ao explicar por que ninguém trabalha no trabalho.

São os autores do livro Rework, que foi apontado como um dos melhores livros de negócios de 2010, avalizado em seu prefácio por nomes como Chris Anderson, Tom Peters, Seth Godin e Tony Hsieh.



:: IGNORE O "MUNDO REAL"

A primeira dica dos autores é:

Ignore o mundo real!
Aquele mundo implícito na frase: “Isso nunca vai funcionar no mundo real”.
Ignore essa realidade pessimista e desesperadora na qual não existe a possibilidade de que pessoas possam ser colegas de trabalho, mesmo morando em diferentes países... Ou de que é preciso gastar milhões em publicidade/propaganda... Ou ainda de que não é possível dar início a um negócio sem ter de passar a vida inteira economizando para isso.

O mundo dos negócios mudou muito. Já não comporta mais a ideia de que dar início a um negócio exige grandes investimentos, locações compatíveis, contratação de pessoal. Hoje, ninguém mais precisa sequer de um escritório, e muito menos ter de trabalhar mais de 40 horas por semana...

Grandes negócios surgem de boas ideias e podem ser feitos à partir de casa ou mantidos por pessoas que nunca se encontraram pessoalmente e vivem a milhas de distância umas das outras.

Aliás, hoje em dia, apenas uma pessoa pode realizar o trabalho que antes era feito por duas, três, ou até mesmo por um departamento inteiro...

"Não acredite no que dizem. Esse mundo pode ser real para os outros, mas não significa que você tenha que viver nele. O mundo real não é um lugar, é uma desculpa. É uma justificativa para não tentar!"

...

Comece fazendo alguma coisa. Você precisa de menos do que imagina!
Faça alguma coisa. Ideias são baratas e abundantes, mas a ideia é apenas uma pequena parte do negócio. A questão é como executá-la.

E mais: planejamento de longo prazo é mera especulação!
Então chame de especulação e não de plano e pare de se preocupar com ele. Preocupe-se com o que realmente interessa. “Ignore os detalhes, pelo menos por enquanto”.

As coisas ficam melhores quando ficam menores. Diminua o tamanho da sua ambição e dos seus objetivos. Corte o que parece bom mas não é necessário e deixe para depois o que pode ser feito depois.

Tente resolver o seu próprio problema e faça a diferença no mundo!

“A maneira mais fácil de criar um grande produto ou serviço é fazendo alguma coisa que você queira usar.”



Coloque o que você pensa no seu produto, faça alguma coisa que ninguém mais saiba fazer. Quando você quer resolver o seu próprio problema, sabe exatamente o que fazer e onde chegar... além de se apaixonar pelo que está fazendo.

Para fazer a diferença no mundo não é preciso encontrar a cura para o câncer! Você pode apenas criar alguma coisa que facilite a vida de qualquer pessoa... e com isso o produto ou o serviço atrairá adeptos, fãs... ...clientes!

"Se você frequentemente fica até mais tarde e trabalha nos finais de semana, não é porque tem muito trabalho, mas porque você não está fazendo o que deve ser feito. E o motivo são as interrupções."



:: DICA DE PRODUTIVIDADE:

Interrupções são corrosivas para a produtividade: 45 minutos e então um telefonema. Mais 15 minutos e o almoço… No período da tarde, uma reunião… E no final do dia restam apenas duas horas para fazer o trabalho que precisa ser feito....

A solução apresentada pelos autores são as zonas de isolamento:

  1. Estabeleça períodos ou mesmo um dia semanal em que as pessoas não devem conversar. Trocar a confraternização da sexta-feira por uma terça-feira em que a comunicação é proibida. Não parece razoável? Sem conversa e o trabalho será feito realmente.
  2. Trocar as ferramentas comuns de comunicação, como ligações, reuniões ou conversas pessoais, por emails ou mensagens, que não precisam ser instantaneamente respondidas. Isso evita que se tenha que interromper o que se está fazendo.


.: Nas reuniões

Nas palavras dos autores: “Reuniões são tóxicas”. São as piores e mais frequentes interrupções no ritmo de trabalho. Tratam normalmente de ideias abstratas, fogem do assunto e não resolvem problema nenhum.

Basta multiplicar o tempo gasto em uma reunião pelo número de pessoas nela presentes: uma reunião de uma hora com dez pessoas representa 10 horas de trabalho despendidas no encontro. Agora é só calcular o custo dessas 10 horas de trabalho e chega-se ao custo de uma reunião.

Sem contar o tempo perdido em decorrência dela, entre interromper o que está fazendo, ir até a reunião, voltar ao trabalho e recomeçar o que foi interrompido. E o que é pior: reuniões procriam. Acabam gerando outras reuniões. Então, pergunte-se antes: será que ela é mesmo necessária?



:: "Whorkaholismo"

O "whorkaholismo" não é apenas desnecessário, é uma estupidez.

“Trabalhar mais não significa que você está se dedicando mais ou que você está fazendo mais. Significa apenas que vocês está trabalhando mais.”

Workaholics acabam liderando uma mentalidade estúpida: as pessoas ficam mais tempo no trabalho, mesmo sem estar produzindo.

“Ninguém toma decisões perspicazes quando está cansado.”

 E o que é pior, acabam criando mais problemas do que eles conseguem resolver. “Eles disfarçam a preguiça intelectual com a força bruta. Criam problemas intencionalmente, apenas para resolvê-los e assim trabalhar mais. Adoram ser heróis”.

Mas... ...o verdadeiro herói foi para casa porque descobriu uma maneira mais rápida e fácil de fazer!  ;-)



:: Ilusões e abstrações

O mundo do trabalho é abarrotado de documentos que não servem para nada além de desperdiçar tempo: relatórios que ninguém lê, diagramas que ninguém entende e projetos que nunca viram produtos. Acabe com as abstrações e faça coisas concretas que realmente serão usadas. Qualquer coisa além disso é apenas distração.



:: Contratações e pessoal

Será que você realmente precisa de alguém para cumprir certas tarefas? Contrate apenas quando for imprescindível e não quando uma mera mudança na prática diária for suficiente para resolver o problema. E mais: “Nunca contrate ninguém antes de tentar fazer você mesmo. Dessa forma, é possível entender a natureza do trabalho e como ele deve ser feito”.


Os autores são ainda mais radicais quando o assunto é contratação: “Currículos são ridículos.” São farsas, todo mundo mente nos currículos. Sem contar que números e graus não dizem nada. O que realmente importa: como ou por quanto tempo alguém ficou fazendo alguma coisa? O que exatamente significa uma boa formação acadêmica? Significa que a pessoa passou muito tempo na escola e pouco tempo trabalhando. Vai levar mais tempo ainda para perder os hábitos que funcionam no mundo acadêmico mas são inúteis fora dele.

No trabalho, não trate as pessoas como se elas tivessem 13 anos. “Quando você trata as pessoas como crianças, vai ter um trabalho infantil”. Por exemplo, empregados que precisam pedir permissão para ir ao banheiro, ou dependem de aprovação para todo e qualquer gasto.“Quando tudo exige aprovação, cria-se uma cultura de não pensantes”.

E mais: “Qual é o ganho em proibir os empregados de acessarem redes sociais ou o YouTube? Nenhum. Esse tempo não se converte magicamente em trabalho. Eles vão apenas encontrar alguma outra diversão”.  Trabalhar oito horas por dia é um mito. Estar no escritório não significa estar trabalhando. “Pessoas precisam de diversão para romper a monotonia do dia de trabalho. Sem contar o tempo e o dinheiro investido em TI para monitorar seus próprios funcionários.



:: Polêmica

Ainda que as dicas sejam pertinentes, deve-se levar em consideração que a empresa dos autores cresceu e prosperou num ambiente propício. “A experiência dos autores empresários é centrada na realidade de uma start-up de tecnologia criada no Vale do Silício e, portanto, em um ambiente de negócios bastante diferente do brasileiro”.



Mais sobre o assunto: o site Resultson, traz a opinião de diversos especialistas sobre as principais dicas do livro.

Além do Rework, os fundadores da 37Signals são autores também do Getting Real, mais voltado para web e tecnologia, e escrevem no blog Signal vs. Noise.

Na Saraiva compre pelo link: http://www.saraiva.com.br/rework-3526045.html




Autoria: Elisa Mombelli / Revisão: Adri Alves


Obviamente que as Mídias Sociais se posicionam de modo a nos fazer pensar que elas são além de mídia, plataformas de negócios.

 :)

 Eu acompanho campanhas digitais e histórias de clientes - portanto, não cheguei à esta conclusão por acaso: as mídias e redes sociais são veículos EXCELENTES para conhecer fãs, admiradores, criar relacionamentos, atrair prospectos e escutar/identificar necessidades de consumidores, mostrar autoridade sobre determinado assunto...

Mas...

...Não dá para ignorar o potencial de um Site ou App que é plataforma de Comunicação, que agrega Serviços online... e - melhor ainda - que é um ATIVO DE VENDAS!

✔ O SEU SITE É A SUA ZONA DE ENGAJAMENTO.

 Não esqueça!

(Adri Alves)

👉 VÍDEO: Os Esforços da Sua Equipe de Marketing não dão Resultados? 👈

Você, como uma pessoa antenada nas demandas do seu mercado, acha que a percepção do público em relação à sua marca, aos seus produtos e serviços na internet está alinhada?

✔ Se você precisa de RESULTADOS, esse vídeo é para você!




📝 Link para Reservar sua Consultoria:
Faça download e envie com o máximo de campos preenchidos:





Para acompanhar meu trabalho, acesse:

VÍDEO: Arquétipo Errado na Comunicação Corporativa

Neste vídeo eu conto sobre uma experiência que tive numa reunião de negócios expondo sobre a influência que tem um Arquétipo na Identidade Corporativa, ou Identidade Visual de um negócio.

Se você é Empreendedor, da área de Marketing ou responsável pelos resultados da sua empresa, não pode perder!